terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Um Texto Sobre Trens.

Andando nas ruas vejo a velha ferrovia quase abandonada que divide essa pequena cidade. Vez ou outra passa algum trem. Milagrosamente, ouço ao fundo o apito de um. É como se ele dissesse "saia da frente, não quero te atropelar", pelo menos ele avisa. Acho que gosto de trens. Tão grandes, podem transportar tanta coisa: cansaço, saudade, cheiro de suor, luta... Histórias. Nunca parei para pensar para onde vão, mas será que chegam a algum lugar? Talvez um dia procure a estação mais próxima, suba em um e descubra. "Bem que podia estar indo para Hogwarts" tenho esse pequeno devaneio e dou um leve sorriso.
   
Por mais que eu goste, tenho um pouco de receio de fazer uma viajem de trem. Geralmente, nos livros, eles são coisas tristes. Um sinônimo de despedidas, saudades, lembranças, uma passagem só de ida para guerras, uma criança chorando com uma boneca de pano na mão chorando pela perda de alguém, aquele que separa dois corações que deveriam permanecer juntos, destinos corrompidos. Ok, agora já não sei se gosto deles. Só experimentando para ter certeza. Ainda bem que existem exceções nos livros.

Ouço novamente seu apito, agora bem mais forte. Já deve estar para passar em uma altura possa vê-lo. Quero saber como ele é. Só mais alguns segundos...Droga, é apenas um trem cargueiro.